Inscreva-se já!
Os maiores nomes do mercado de Cloud Computing Em uma conferência recheada de
negócios, oportunidades e informações

Agilidade e escalonabilidade são principais razões de adoção da nuvem

Computação em nuvem é o termo mais difundido nos últimos tempos. Por conta disso, e também para não ficarem para trás, as organizações têm acelerado seu modelo de adoção. Pelo menos é o que revela o segundo estudo anual entitulado "Future of Cloud Computing" conduzido pela North Bridge Venture Partners, nos Estados Unidos. A pesquisa coletou a opinião de 785 entrevistados em toda a indústria de tecnologia, incluindo analistas e fornecedores; entre estes, fornecedores de peso como a Amazon Web Services, a Rackspace, Eucalyptus e Glasshouse. Cerca de 82% dos entrevistados citaram o "software-como-serviço" (SaaS) como seu principal tipo de investimento na nuvem, colocando-o à frente das plataformas-como-serviço (PaaS), que ficou em segundo lugar, com 72% enquanto a "infraestrutura-como-serviço" (IaaS) figura em terceiro lugar, com 66%.

Aproximadamente 57% dos entrevistados identificou a escalonabilidade como principal razão para a adoção da nuvem, seguida pela agilidade nos negócios. E mais da metade (55%) assinalou a segurança como preocupação primordial, à frente da conformidade regulamentar (38%) e da dependência de fornecedores (32%). Apesar dessas preocupações, 50% dos entrevistados pareciam dispostos a confiar suas plataformas e aplicativos mais críticos para serem executados em um ambiente de nuvem.

"Parece que há uma crescente familiaridade e confiança na nuvem pública acompanhada por um desejo de ir além de uma infraestrutura interna própria, seja em nuvem ou não", comentou Jay Lyman, analista sênior da 451 Group, em uma anotação associada aos dados da pesquisa. "Essa é uma tendência compreensível, dado que a nuvem pública já existe há algum tempo", completou ele.

A pesquisa indicou que 40% dos entrevistados dependiam de uma estratégia de cloud pública. Outros 36% relataram utilizar algum tipo de abordagem híbrida para a nuvem, com um total de 52% na expectativa de contar com nuvens híbridas dentro dos próximos cinco anos. Lyman citou essa estatística como um indicador da disposição das empresas em aumentar suas integrações com a nuvem e outras tecnologias: "O afastamento da hospedagem interna para as nuvens públicas e híbridas reflete a necessidade e o desejo de se integrar com outras tecnologias, fornecedores e ecossistemas. A pesquisa deste ano mostra que as organizações querem flexibilidade juntamente com escalonabilidade", comentou Lyman.

Cerca de 80% dos respondentes consideraram que os dados de análise "big data" poderiam muito bem tornar-se o próximo setor de tecnologia a submeter-se a uma mudança sísmica em direção à nuvem. Isso é tão certo como um sinal qualquer de que a nuvem chegou como uma plataforma de escolha para muitas organizações; afinal de contas, uma vez que a empresa começar a utilizar a nuvem para ajudar a armazenar, analisar e fornecer insights em quantidades maciças de dados, já está também basicamente apostando a estratégia global da empresa nesse ambiente.

Fonte: SlashCloud [em inglês].

Patrocinadores

Patrocinadores Diamond

UOL Host

Mandic

Patrocinadores Platinum

Rackspace

Patrocinadores Gold

Locaweb

Patrocinadores Silver

Red Hat

SuperMicro

Fusion-io

Neuwald

Patrocinadores Bronze

4Linux - Free Software Solutions

ServerLoft

ShapeBlue

 
Apoio:












Organização:



Promoção:


Mídia oficial:


Mídias de apoio:





Últimas Notícias

28/10/2013

A nova era Cloudnomics
Leia mais

22/10/2013

Para deter os EUA, Brasil e Europa negociam regras comuns para computação em nuvem
Leia mais

15/10/2013

Corretagem na nuvem é tendência para 2014
Leia mais

14/10/2013

CloudConf 2013 aproxima profissionais e fornecedores de serviços para cloud computing
Leia mais

04/10/2013

CloudConf 2013: assista aos vídeos das palestras!
Leia mais

Outras notícias

Mapa do site
Sobre a CloudConf LatAm 2013 Inscreva-se! Programação do evento
Oportunidades de patrocínio LocalizaçãoContato
Últimas notícias Edição anteriorSiga-nos no Twitter